Soft Skills: você sabe quais são as mais valorizadas pelas empresas?

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

Você sabia que é possível melhorar a produtividade de uma empresa em cerca de 12% investindo apenas em soft skills? É o que atestou um estudo feito por algumas universidades americanas, entre elas Harvard. Isso mostra o peso que essas habilidades tem no ambiente corporativo atual. Talvez o nome seja novo para você.

Se for o caso, vamos ajudá-lo! Neste artigo, você saberá de que forma as soft skills auxiliam na melhoria dos resultados de uma empresa. Além disso, listaremos as habilidades que as companhias mais procuram na hora de atrair novos talentos. Pronto para aprender?

Definindo soft skills

As soft skills podem ser definidas como as habilidades que cada pessoa tem intrinsecamente. Não estamos falando de conhecimentos técnicos, mas das capacidades comportamentais de cada um. Isso significa que ter um bom relacionamento interpessoal e saber como gerir o tempo são exemplos de soft skills.

Agora, que você tem uma ideia do que o nome significa, vamos entender por que elas influenciam os resultados das empresas!

Descobrindo a importância das soft skills

Por mais que um colaborador tenha uma função técnica, as habilidades comportamentais farão grande diferença no seu desempenho. Todo trabalhador precisa ter interações com outras pessoas, seja dentro do escritório, seja lidando com clientes e stakeholders externos.

Dessa forma, ter soft skills desenvolvidas permite que as pessoas consigam ter mais controle sobre suas emoções, além de saberem tirar o máximo proveito daquilo que elas dominam. Por exemplo, se um programador tem flexibilidade, ele conseguirá lidar com as diferentes cobranças internas e com seus colegas.


Conhecendo as soft skills mais procuradas pelas empresas

1. Controle das emoções

De nada adianta ser um especialista se a pessoa não conseguir controlar as diferentes emoções que a afetam diariamente. Por isso, as empresas têm buscado profissionais que sejam autocentrados e consigam ter calma e energia quando isso for necessário.

Uma das grandes vantagens de quem sabe controlar as emoções é conseguir usar os momentos de estresse como gatilho para ser mais produtivo. Essa habilidade faz com que a pessoa saiba converter ambientes e situações caóticas em valor agregado, isto é, tirar vantagem daquilo que é aparentemente ruim.

2. Pensamento criativo

Na hora de resolver problemas, é válido ter criatividade para conseguir enxergar diferentes saídas. Quando uma pessoa consegue ter essa visão criativa, é mais fácil desenvolver soluções para qualquer problema que aparecer. Isso garante rapidez nos processos internos.

Para que se tenha essa capacidade criativa, diferentes fontes de conhecimento podem ser usadas. Capacidades técnicas, experiências passadas e capacidade de abstração podem se tornar combustíveis para uma saída inteligente de crises.

3. Colaboração

Assim como saber controlar as emoções, trabalhar bem em equipe se torna uma soft skill importante na hora de extrair bons resultados. A pessoa que se dá bem com seus colegas consegue relevar situações estressantes, ganhando confiança e apoio dos outros.

Como resultado, esse profissional consegue ter mais facilidade na hora de obter informações importantes, conseguir apoio para suas atividades e lidar com as diferentes áreas da empresa.

4. Comunicação eficiente

Saber comunicar faz muita diferença no ambiente corporativo. A cada interação, é necessário saber como colocar suas dúvidas e pensamentos diante do seu interlocutor, de forma que ele entenda o que você quer dizer.

Uma boa comunicação garante que ambas as partes se entendam e que aquilo que é esperado seja realizado da maneira como foi pensado. Por isso, as empresas têm buscado bons comunicadores na hora de atrair e manter novos talentos.

5. Atenção para ouvir

Assim como é importante saber como comunicar, ouvir os outros acaba se tornando uma habilidade procurada por gestores e recrutadores. A pessoa que sabe ouvir acaba funcionando como um aliviador de tensões. Os problemas de comunicação começam, muitas vezes, por não ouvir da maneira correta aquilo que foi explicado.

6. Gerenciamento do tempo

Não só na vida profissional, mas também nos compromissos pessoais, a gestão do tempo se torna uma soft skill procurada por todos. Quando o tempo é bem trabalhado, é possível fazer mais e gerar mais valor com a mesma quantidade de tempo.

Se a pessoa tem um cargo de gerência, é mais fácil definir o tempo em que cada projeto deve ser desenvolvido. Se tem um cargo menor, saberá como gerenciar suas obrigações. Sendo assim, ter essa soft skill auxiliará em todos os níveis de atuação.

7. Positividade

Sabe aquela pessoa que sempre consegue enxergar uma oportunidade? Pois isso é uma soft skill também! Às vezes, é difícil acreditar em um projeto ou meta, mas pessoas positivas tendem a encontrar resoluções de problemas com sua força de vontade.

Isso não significa que as empresas precisam de um empregado que acredita em tudo e que investe mesmo em ideias que não funcionam. Pessoas positivas são aquelas que conseguem inspirar os outros e mantê-los nos trilhos, mesmo que um resultado não possa ser visto no curto prazo.

8. Habilidade para ser multitasking

Sabe o seu smartphone, que consegue rodar vários aplicativos ao mesmo tempo, sem que isso afete a experiência de uso? É assim que o empregado multitasking funciona. Ele consegue se envolver em diferentes projetos e cuidar de todas as suas obrigações sem que isso impacte na qualidade delas.

Pessoas que têm essa soft skill conseguem gerar mais valor porque podem acumular funções e responsabilidades, garantindo que as entregas acontecerão conforme o previsto. O único receio que deve haver com essa habilidade é de que a pessoa não acumule mais obrigações do que pode cumprir.

9. Capacidade de planejamento

Se o profissional consegue ser um bom planejador, isso com certeza trará frutos para ele! Planejar da maneira correta é o que fará com que os prazos sejam respeitados, o retrabalho seja evitado e o tempo seja ganho.

Mesmo que aconteçam imprevistos, o projeto será concluído, já que o planejador coloca isso em conta na hora de pensar em cada prazo.

Como você pôde ver, as soft skills são um meio de otimizar a forma como as pessoas e as empresas atuam e devem ser levadas em conta no momento da gestão!

Se você gostou deste texto, compartilhe nas redes sociais! Pode ser de ajuda para outras pessoas definirem quais soft skills devem ser desenvolvidas.

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »