O que é People Analytics?

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

A presença da análise de dados na área de gestão de pessoas se consolida a cada ano. Grandes corporações passaram a investir em soluções tecnológicas e obter avanços na performance dos colaboradores e nos resultados das empresas, mas muitos ainda desconhecem a definição e o que é possível esperar de People Analytics.
 

O que é People Analytics?

O termo “People Analytics” refere-se ao processo de analisar dados para estudar o comportamento dos funcionários de uma empresa. O objetivo desta análise é prever cenários e planejar ações para evitar possíveis situações de risco. O Google é um dos principais exemplos que aplicam com sucesso, técnicas analíticas para ajudar a fundamentar decisões sobre a gestão de seus funcionários.

Outras denominações

People Analytics também é conhecido como HR Analytics, Talent Analytics ou ainda, Workforce Analytics.

Desde sua fundação, o Google definiu uma estratégia de recrutamento muito clara: Atrair e contratar os melhores engenheiros. Isso faria a empresa progredir e realizar feitos grandiosos. Além disso, também era necessário entender como reter e manter seus colaboradores engajados. A empresa percebeu então, que para gerir melhor seu time, seria preciso aprender mais sobre o comportamento dos funcionários: O que os motivava, o que os deixava insatisfeitos, como eles se relacionavam com seus líderes, etc. Mas como aprender sobre comportamento? Em uma organização gerida por engenheiros a resposta era óbvia: Analisando dados.

 
Neste momento, você pode estar se perguntando se é possível prever comportamento com base em dados. Vamos ver alguns exemplos:

Com base nos exemplos mostrados, é fácil perceber que os sistemas de recomendação costumam utilizar o histórico de ações realizadas por seus usuários para extrair padrões e assim, sugerir itens que façam sentido. Esse mesmo tipo de tecnologia, que utiliza técnicas de inteligência artificialpode ser aplicado para ajudar a identificar, estudar e prever tendências de comportamento dos colaboradores de uma empresa.

Como principal benefício, o People Analytics irá possibilitar que os gestores consigam identificar as maneiras mais eficientes de gerir a empresa e acelerar o desenvolvimento das pessoas. Este é o primeiro ponto favorável para o trabalho com big data: permitir que a área de recursos humanos possa, efetivamente, contar com informações e números concretos para embasar as decisões sobre pessoas. Assim, os debates e decisões deixam de se sustentar em análises subjetivas e encontram apoio e suporte nos dados.

É importante deixar claro que o objetivo desse processo não é tomar decisões automaticamente e que o olhar humano continua sendo necessário nesse sentido. People Analytics não é uma bola de cristal, assim como não dita regras ou define trajetórias rígidas que devem ser seguidas. Independente da aplicação, o sistema irá apontar probabilidades, e não informações definitivas ou absolutas. Porém, é importante destacar que o sistema é capaz de apresentar tendências com um grau de detalhes sem precedente

Tipos de Analytics

Antes de falarmos sobre como Analytics pode ser utilizado para gestão de pessoas, é importante destacar os diferentes tipos de informações que podem ser obtidas a partir de sua aplicação. Aqui, vale destacar um ponto: Talvez pelo fato do termo “analytics” estar em evidência, muitas pessoas acabam confundindo o mesmo com geração de relatórios. A Adobe apresenta um excelente artigo que explica, com clareza, a distinção entre os termos:

Geração de Relatórios é o processo de organizar dados em sumários informativos. Como exemplo, podemos citar o monitoramento de performance de diferentes áreas de uma organização.

Analytics, por sua vez, é o processo de explorar dados e relatórios com o intuito de extrair informações relevantes, que podem ser utilizadas para melhorar o desempenho do negócio.

Um estudo do Gartner apresentou um método de classificação que propõe 4 níveis de Analytics, sendo cada nível definido pelo tipo de informação obtida através da análise dos dados. Dessa forma, temos:

  • Descriptive Analytics: Este é o nível mais básico. Nesse estágio, os dados ajudam a compreender o que aconteceu em um período de tempo no passado. A maior parte das empresas já implementa este tipo de Analytics através de ferramentas de Business Intelligence (BI).
  • Diagnostic Analytics: No segundo nível, a análise dos dados ajuda a identificar a causa de um problema. Para isso são usadas técnicas avançadas de extração de dados e estatística.
  • Predictive Analytics: Nesse estágio, a idéia é extrair informação de dados históricos e combinar técnicas avançadas de estatística e inteligência artificial para ajudar a prever cenários futuros.
  • Prescriptive Analytics: O último nível de Analytics é o mais avançado. A idéia aqui é ajudar a identificar o que pode ser feito para resolver um problema, minimizando possíveis efeitos colaterais negativos. Para ajudar a dar essa resposta, é necessário trabalhar com complexas técnicas computacionais tais como: análise de grafos, simulações, redes neurais, machine learning, dentre outras.
A figura abaixo é uma representação da classificação proposta pelo Gartner. Observe que conforme aumentamos a complexidade das técnicas utilizadas, aumentamos o valor da informação que estamos obtendo em cada estágio.
Classificação proposta pelo Gartner mostra diferentes tipos de abordagens para o termo Analytics

Como você pode perceber, existem vários tipos de perguntas que Analytics pode ajudar a responder. Uma boa dica é: Se sua empresa ainda está começando a trabalhar com esta abordagem, comece pelo básico. Primeiramente, aprenda como obter respostas a partir dos dados que você já possui. Pense nos problemas que gostaria de resolver e elabore perguntas. A partir daí, entenda quais os dados que você possui e como eles podem ajudar a responder suas perguntas. Muitos projetos de People Analytics falham porque grande parte das empresas partem para  a implementação do modelo mais avançado, sem antes entender o básico. Nesse caso, o mais prejudicado é o colaborador da empresa, que perde uma oportunidade de ser melhor gerenciado.

O que People Analytics pode fazer pela sua empresa?

Agora que sabemos o conceito e os diferentes tipos de analytics existentes, você deve estar se perguntando: “- Ok, e como funciona na prática?”. A aplicação mais óbvia – e talvez a mais demandada no momento – é em recrutamento (já conversamos sobre isso aqui), mas People Analytics vai muito além do uso de algoritmos para uma seleção de candidatos mais precisa e alinhada às necessidades da organização.

Muitas empresas estão interessadas em analisar dados para encontrar oportunidades de redução de custo e uma forma de obter tal resultado é estudar o uso do plano de saúde. Relacionando a quantidade e os tipos de consultas e de exames realizados, é possível identificar padrões e caracterizar a população de pacientes para o desenho de programas de medicina preventiva mais eficientes. 

Nessa mesma linha, dá para enxugar os gastos com a identificação de cobranças e de usos indevidos, como o valor de apenas um exame debitado duas vezes ou o pedido de reembolso para a consulta do filho que não consta mais como dependente. Todas essas identificações podem ser feitas de forma automática, permitindo que o profissional de RH avalie apenas os casos anômalos.

 A área de treinamento e desenvolvimento também pode ser beneficiada com a introdução de People Analytics. Através do cruzamento de dados da avaliação de desempenho, perfil comportamental, histórico de promoções e feedbacks recebidos, é possível identificar  os funcionários com maior potencial para liderança e, então, encaminhá-los para treinamentos específicos.  

Um Exemplo

Se existe um grupo de funcionários que costuma ser promovido, em média, a cada 18 meses e outro a cada três anos, melhor seria investir em programas de desenvolvimento para o primeiro, pois muito provavelmente tais pessoas chegarão ao posto de gestão mais rapidamente. 

A ideia aqui é valer-se de um conjunto de informações para avaliar a probabilidade de promoção e fazer investimentos mais oportunos na formação profissional. 

E como fazer pra começar a usar People Analytics?

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »