Como manter a motivação para equipes em home office?

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Voiced by Amazon Polly

Manter e incentivar a motivação em equipes é assunto recorrente em empresas e profissionais de Recursos Humanos. Fortalecer valores e incentivar profissionais faz parte da cultura organizacional e são determinantes para que colaboradores se tornem produtivos e aptos a realizar trabalhos em equipe.

Uma cultura de trabalho positiva impacta diretamente os resultados da empresa. Utilizando dessa estratégia, é possível perceber aumento na produtividade e engajamento de colaboradores, que, desta forma, podem encontrar espaços para desenvolver habilidades criativas e de inovação.

Um artigo da Harvard Business Review aponta que o trabalhador moderno possui 6 motivos para trabalhar: jogar, propósito, potencial, pressão emocional, pressão econômica e inércia. Os três primeiros motivos funcionam para aumentar a performance, enquanto os 3 últimos prejudicam o trabalho. É trabalho das empresas equilibrar a balança, focando sempre para que os bons motivos se sobressaiam e a motivação do colaborador se mantenha mais positiva do que negativa.

Manter esse equilíbrio positivo proporciona um colaborador motivado que impacta diretamente na produtividade da empresa. O profissional de Recursos Humanos pode desempenhar um papel fundamental na motivação de funcionários, alinhando interesses pessoais de colaboradores com os objetivos da empresa, criando um estímulo positivo. A desmotivação e insatisfação podem impactar diretamente trazendo prejuízos como aumento do absenteísmo, elevação do turnover e redução de produtividade e performance.

Trabalhar ativamente na motivação já era um desafio enfrentado por profissionais de Recursos Humanos atuando diariamente no ambiente empresarial. Com a chegada da pandemia de COVID-19, muitas empresas adotaram o home office como principal forma de trabalho. Com o avanço da vacinação da população, o modelo híbrido que alterna trabalho remoto e presencial tornou-se uma opção viável para as empresas. É fundamental, portanto, novas estratégias para manter os colaboradores motivados e valorizados como parte integrante da empresa mesmo sem a presença física no escritório.

Pensando nesta nova forma de trabalho, preparamos neste post 5 dicas para colocar em prática e manter a motivação no home office. Vamos lá?

1 – Construa e mantenha um canal direto de comunicação com a equipe

Mantenha o hábito de conversar frequentemente, de maneira objetiva e clara, com equipes, mas também tire um tempo para falar com funcionários individualmente. O afastamento físico pode trazer uma falsa sensação de estar trabalhando sozinho, portanto, é importante manter a união de equipes e criar um senso de pertencimento. Além disso, alinhar constantemente objetivos e metas permite um rápido entendimento por todos do trabalho que precisa ser feito. Mantenha um canal de comunicação acessível e aberto sempre que um membro da equipe sentir necessidade de utilizá-lo.

2 – Crie uma rotina definida

A rotina, a repetição diária de ações, funciona como um organizador externo, aliviando momentos de ansiedade e trazendo uma sensação de segurança. Para muitas pessoas, a ausência do deslocamento até o trabalho ou a falta de um ambiente adequado em casa para exercer as atividades pode dificultar a criação de uma rotina. Empresas podem auxiliar, criando e mantendo rotinas de trabalho. Planeje e organize com antecedência atividades e metas, coloque prazos definidos, deixe claro o nível de complexidade, o grau de prioridade e os colaboradores envolvidos. Mantenha uma frequência fixa de reuniões e alinhamentos de equipe, evitando exceder o tempo máximo pré-determinado, uma vez que videochamadas muito longas podem se tornar cansativas e causar um estresse emocional.

3 – Cultive uma cultura de confiança

A transparência é fundamental na relação entre colaboradores. Neste contexto de trabalho remoto, o afastamento físico pode dificultar o gerenciamento de equipes ou acompanhamento de trabalhos. É importante, portanto, construir uma cultura de confiança entre todos, onde cada um sabe sua função e importância na equipe, alcançando o trabalho esperado. No modelo de home office, muitas vezes incentivar a habilidade de autogerenciamento e modalidades de accountability podem auxiliar na criação de confiança. É importante manter momentos para feedbacks, positivos e negativos, e recompensar o bom trabalho executado.

4 – Tenha empatia

Cada colaborador administra situações de crise de diferentes maneiras, de acordo com o seu contexto social, familiar e estilo de vida. Neste momento de enfrentamento da pandemia tenha empatia e compreensão com situações que podem fugir do controle do funcionário. Contratempos como falta de luz, lentidão na Internet ou problemas com ruídos podem prejudicar a produtividade e performance. Mantenha uma conversa franca e transparente, permitindo que colaboradores expressem suas preocupações e dificuldades e, quando possível, auxilie o processo de resolução destes problemas.

5 – Ofereça suporte tecnológico

Certifique-se de oferecer todo o apoio tecnológico necessário para seus colaboradores executarem suas atividades. Computadores, celular, tablet, câmera, microfone são alguns equipamentos que podem ser necessários para exercer funções de maneira remota. Além dos equipamentos, é importante oferecer softwares e aplicativos que suportem as atividades, como programa para videochamadas, espaço para armazenamento de arquivos na nuvem, criadores e editores de texto, serviço de e-mail empresarial, avaliando quais são necessários para cada contexto.

Para equipes de Recursos Humanos, a Plataforma Appus pode ser sua aliada para avaliação de desempenho da equipe em home office. Quer saber mais? Entre em contato conosco!

 

* Texto produzido por Letícia Dallegrave, mestra em Comunicação Social e Redatora Publicitária.

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »