Você sabe como se comunicar com a sua equipe? Conheça essas 5 boas práticas!

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

Você já percebeu como o Papa Francisco ficou famoso no mundo inteiro? Claro, ser pontífice ajuda nisso. Mas o grande segredo dele não foi a religião, mas sua comunicação! Por meio de um discurso conciliador e que inspira, ele levou diversas pessoas a simpatizarem com ele, mesmo que sejam de outras religiões.

Assim como esse líder global, gestores e administradores precisam de saber como comunicar com a equipe. Não apenas para que as pessoas sob sua liderança entendam o que você deseja, mas também como forma de motivação e engajamento coletivo.

No post de hoje vamos te mostrar como isso pode ser feito, comprovando por meio de pensadores acadêmicos e do mercado como uma comunicação efetiva é essencial para os negócios. Vamos lá!

Qual é a importância da comunicação entre líderes e equipe?

Dentro de uma empresa, saber se comunicar com a equipe é um atributo essencial para uma liderança de sucesso. Existe uma série de vantagens quando quem está à frente de pessoas e equipes sabe como se fazer compreensível. Comunicar acaba se tornando mais do que uma necessidade, mas uma ferramenta do negócio.

Quando a comunicação é feita da maneira correta, os colaboradores se sentem naturalmente inspirados. Basta olhar para a Seleção Brasileira de Futebol, por exemplo. Nos anos em que o Brasil levou a Copa do Mundo, havia uma liderança carismática a frente do time. Isso é algo que contagia não apenas a equipe, mas todo um país.

Quando se fala em empresas, esse fenômeno também ocorre! Segundo Max Weber, um dos pais da Sociologia, líderes cativantes conseguem engajar as pessoas ao seu redor, exercendo uma liderança mais leve e efetiva. E a comunicação é um elemento-chave nessa equação.

Como comunicar com a equipe?

Comunicar significa, segundo o Dicionário Aurélio: “Pôr em comunicação, Participar, Fazer saber, Pegar, transmitir, Estar em comunicação, Corresponder-se, Propagar-se, Transmitir-se.”

Assim, como dito acima, comunicação não é apenas falar, mas corresponder-se. Isso significa que há um caminho aberto, tanto para fala como escuta. Essa é uma das dicas para uma boa comunicação que daremos abaixo. Confira ela e outras a seguir:

1. Ter um discurso inspirador

Quando falamos com as pessoas, é natural que haja reações. Entre os muitos estímulos que envolvem essa resposta natural da pessoa, existem alguns que podem ser trabalhados. Um deles é o entusiasmo. Uma das formas de gerá-lo nos seus ouvintes é ter um discurso que inspira.

Isso pode ser feito com perguntas criativas. Por exemplo, quando você questiona seus colegas de trabalho de forma inventiva, é gerado neles um impulso de também responderem criativamente. Isso pode levar a ótimas decisões e aprendizados em conjunto.

Você pode aproveitar essa ideia e propor desafios para a equipe. Faça com que as pessoas saiam do lugar comum. Faça com que a mente delas possa criar soluções diferentes e inovadoras. Pode ser que em uma dessas ocasiões, vocês deem vida a um produto de sucesso, por exemplo. As possibilidades são inúmeras!

2. Saber escutar

Engana-se quem acha que um bom comunicador é aquele que apenas fala bem. Ouvir é essencial em qualquer processo de comunicação. Esse conceito é comprovado até mesmo na tecnologia. Ouvir faz parte de uma comunicação efetiva e de qualidade.

Quando você ouve, é possível resolver os problemas que sua equipe carrega. Usar os questionamentos das pessoas para comunicar-se, permite um direcionamento aos dilemas que possam existir. Isso vai fazer com que as pessoas se sintam amparadas e guiadas por sua gestão. Nada como uma equipe que se sente bem dirigida!

3. Compartilhar valores

Toda empresa tem valores a serem compartilhados. Mais do que aquela sessão no site, os valores são uma parte intrínseca de toda e qualquer instituição. São eles que definem os princípios morais, éticos e filosóficos da companhia.

Podemos dizer que uma empresa sem valores não possui valor nenhum. Quando as pessoas entendem o que motiva o lugar em que eles atuam, a tendência é que criem um senso interno de busca por esses mesmos ideais.

4. Mostrar presença

Em muitas empresas, os colaboradores podem se sentir distantes da direção. Ainda mais no caso de empresas de TI, que tendem a ter equipes apartadas e remotas. Para evitar que isso aconteça, a comunicação deve aproximar a liderança das equipes.

Uma forma de fazer isso é criar informativos internos ou reuniões de alinhamento. Dessa forma as pessoas entendem o que está havendo e podem ver uma direção efetiva e próxima delas. Só isso já pode ser o suficiente para deixar as pessoas mais animadas e motivadas, em alguns casos.

Mais do que e-mails e banners, as pessoas precisam de lideranças que possam ver e ouvir. Por isso é tão importante se valer da personificação. Estar presente no dia a dia do empregado vai fazê-lo perceber que, assim como ele, seus líderes também trabalham, ouvem e possuem metas a serem cumpridas.

5. Ser autêntico

Mesmo que o líder possua experiência em multinacionais e formação acadêmica de ponta, ele precisa saber como usar tudo o que aprendeu. Repetir discursos de pensadores famosos ou técnicas de comunicação de grandes empresas não vai trazer resultados automáticos. Comunicação não é mágica, é prática!

Um bom gestor precisa tirar insights de tudo o que já viveu e criar formas espontâneas de comunicação. Ele deve mostrar para as pessoas que é como elas, com dúvidas, anseios e motivações. Uma forma de tirar proveito disso é por meio do storytelling.

Com essa técnica, você envolve as pessoas em um discurso criativo e cíclico. Mais do que elaborar produtos, você cria verdadeiras histórias em torno deles. Na administração, isso significa envolver a criatividade na hora de comunicar.

Entenda que isso não significa improvisar na hora de falar com as pessoas, mas de elaborar estratégias que as tragam para mais perto da sua gestão. A ideia é criar um senso de engajamento global. Imagine os resultados que isso pode trazer.

Como você pôde ver, um bom líder é aquele que sabe comunicar, ouvindo e criando narrativas criativas. Se você gostou e quer aprender mais formas de como comunicar com a equipe, veja nosso post que ensina como engajá-la! Boa leitura!

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »