Aprenda com essas 5 dicas sobre como fazer uma one-on-one produtiva com seus colaboradores!

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

Empreendimentos são construídos por pessoas. A união delas em torno de um objetivo em comum faz com que o sucesso corporativo seja alcançado. Entretanto, pessoas são diferentes umas das outras, tendo atritos e dificuldades na convivência diária. Sendo assim, como motivá-las e manter uma coesão entre diretoria e colaboradores?

Neste post, vamos explicar como fazer one-on-one e de que forma esse recurso é importante no mundo da gestão. Além disso, vamos citar as melhores práticas para que você aplique as reuniões no seu negócio e tire o melhor proveito delas. Continue a leitura e acompanhe!

O que é uma one-on-one

Uma one-on-one é, em poucas palavras, uma reunião entre gestor e seu liderado. Em empresas com altos índices de engajamento de funcionários, essas reuniões são algo comum. Se na sua empresa, os gestores ainda não adotam essa prática, tranquilize-se, pois vamos explicar as vantagens dessa ferramenta e como fazer one-on-one.

Existem diversas empresas que aplicaram essa modalidade de reunião e viram os resultados na prática. Em algumas, a periodicidade desses encontros é semanal, e em outras, quinzenal. A regra geral é que o espaço de tempo entre uma reunião e outra não ultrapasse um mês, para que não ocorra um desalinhamento do que foi conversado desde a última ocasião.

A ideia dessas reuniões é que sejam o relacionamento base entre o gestor e seu comandado. Isso ajudará a criar um vínculo de confiança, algo muito necessário no ambiente corporativo. Dessa forma, é possível que a empresa transmita seus valores e aspectos culturais. É uma espécie de efeito cascata, indo da diretoria para os demais setores.

Em alguns casos, CEOs e gerentes optam por realizar reuniões one-on-one com os colaboradores — com um espaçamento maior, nesse caso. Essas reuniões também são válidas, mas não devem substituir as recorrentes.

Importância para os stakeholders

Seja para o gestor ou para o colaborador, as reuniões one-on-one geram benefícios para todos os envolvidos. Como estamos em uma era digital, é muito fácil que nossas comunicações sejam 100% virtuais. E-mails, WhatsApp, Slack e várias outras ferramentas de videoconferência acabam sendo o meio por onde nossas relações se dão no trabalho.

Quando uma cultura de one-on-one é aplicada, conseguimos um maior engajamento entre as pessoas. Elizabeth Grace, autora do livro How to Invest Your Time Like Money, diz que one-on-one é a ferramenta de produtividade mais importante que um gestor pode ter.

Imagine as possibilidades que um departamento totalmente alinhado com a empresa pode ter. Pessoas que entendem a visão institucional e se identificam com a missão e os propósitos da empresa conseguem abrir portas incríveis para novos aprendizados. E isso beneficia a todos: empresa, líderes e liderados.

Agora que você já sabe a importância da ferramenta, vamos ver algumas dica de como fazer one-on-one:

1. Planejamento é primordial

Para que a conversa seja a mais produtiva possível, é essencial estruturar suas reuniões. Para isso, elabore uma pauta simples com os assuntos que você gostaria de conversar com cada funcionário.

Ao organizar suas primeiras one-on-ones, tenha em mente que seus funcionários podem estar apreensivos para este primeiro momento. Uma das formas de amenizar esse sentimento é abrir espaço para que os funcionários também tragam assuntos para a pauta da reunião.

A pauta irá funcionar como um roteiro. Caso seja necessário falar sobre algum assunto que deixará o funcionário desconfortável (por exemplo, dar um feedback negativo sobre algo), lembre-se também de incluir um assunto para falar de um aspecto positivo do colaborador. Isso evitará que funcionário associe a reunião de one-on-one à algo negativo.

2. Evite fazer da one-on-one uma reunião somente de status report

É inevitável que durante essa reunião o seu funcionário comece a falar sobre o status das atividades que ele executa. Deixe ele falar. Mas lembre-se que um dos objetivos da one-on-one é falar sobre a carreira e o desenvolvimento do funcionário também.

Uma das principais qualidades de um bom gestor de pessoas é atuar como uma espécie de mentor para o seu liderado. Por este motivo, é importante entender quais são as expectativas do seu funcionário em relação à função que ele executa na empresa e o que ele deseja em relação ao futuro.

3. Incentive a prática de resolução de problemas

Prepare-se: Você vai ouvir reclamações. De todos! E isso não é ruim! Lembre-se que reclamar é algo natural para muitas pessoas. :) Se não fosse, nós nasceríamos sorrindo.

Ouça o que seu funcionário tem a dizer e procure identificar problemas onde ele conseguiria atuar. Após identificar estes problemas, incentive-o a encontrar soluções para os problemas que ele relatou. Isso também vai ajudar a criar um senso de responsabilidade e inclusão no colaborador.

4. Estabeleça uma frequência

Atenção para o seu cronograma. Para que as reuniões de one-on-one sejam eficientes, é importante observar a sua agenda e a agenda dos seus liderados. Afinal, não queremos sobrecarregar ninguém.

O ideal é que o convite para uma reunião de one-on-one seja uma iniciativa do próprio funcionário. Porém, antes de sair solicitando que todos os seus funcionários marquem seus compromissos com você, observe se isso não irá sobrecarregar o seu tempo.

Por exemplo: digamos que você tem 8 funcionários na sua equipe e os 8 resolvem agendar reuniões para o mesmo dia. Dependendo do tempo que você irá dedicar para cada one-on-one, isso pode lhe custar um dia inteiro de agenda. Portanto, tenha cautela.

Se o seu time for grande, procure reservar uma ou mais janelas de tempo durante um período (semana, quinzena, mês). Comunique o seu time sobre os horários que estão disponíveis e incentive-os a agendar um horário. E para aquele funcionário mais tímido que não reservou. Vá atrás dele. Agende você mesmo o seu horário com ele. :)

Sobre a frequência destas reuniões, o ideal é que elas ocorram pelo menos uma vez a cada quinze dias. Mais isso pode variar de acordo com o tamanho do seu time e a maturidade dos seus funcionários.

5. Conscientize-se da importância destas reuniões.

Já deu para perceber que apesar de simples, as one-on-one não são tão fáceis de implementar, desenvolver e preparar. Como é um processo que envolve a disponibilidade das pessoas, pode ser que ela enfrente problemas. Para evitar isso, busque relembrar as pessoas sobre a importância dessas reuniões.

Como existe o problema das agendas cheias, siga algumas dicas:

  • Procure não desmarcar essas reuniões. Ela é importante não só para o funcionário, mas é também uma ótima oportunidade de desenvolvimento para o gestor.
  • Procure não chegar atrasado. O seu compromisso é com o seu funcionário e quando você atrasa, você está passando a mensagem de que não respeita o tempo dele. Se o atraso for inevitável, envie uma mensagem para ele comunicando sobre o atraso e combine um novo horário.
  • Estabeleça a frequência junto do colaborador: Esta é uma medida que você e seu funcionários conseguirão balizar a medida que realizarem as primeiras reuniões.

Como você viu, as reuniões one-on-one são uma ótima ferramenta para que as pessoas estejam mais conectadas com a diretoria e a gestão dos seus espaços de trabalho. Para que isso seja efetivo, siga as dicas que demos, e o resultado será visível.

Gostou de saber mais sobre o assunto? Caso você tenha dúvidas sobre como fazer one-on-one e queira solucioná-las, deixe um comentário! Nosso time de especialistas vai respondê-lo prontamente, para que suas dúvidas sejam sanadas da maneira certa. Conte conosco!

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »