Como trabalhar com pessoas que criam conflitos?

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Voiced by Amazon Polly

Um dos grandes desafios profissionais do recursos humanos é justamente o que está no nome: lidar com pessoas. Cada colaborador tem um perfil, uma história, um jeito de trabalhar e nem sempre somente as características boas de cada personalidade se sobressaem no ambiente de trabalho. Já falamos um pouco sobre como trabalhar com pessoas difíceis no trabalho e como redirecionar essa energia para que o trabalho em equipe não seja prejudicado.

Dessa vez, vamos abordar outro tipo de personalidade que você pode encontrar no escritório: a pessoa que cria conflitos. Apesar de parecer uma coisa negativa, o conflito pode ser bom e saudável, nos levando a sermos melhores como pessoas e comunidades. O conflito bom, muitas vezes, é necessário para a evolução das empresas. O perigo, contudo, é quando o conflito se torna maligno, toma tempo, energia e confiança que deveriam estar aplicados em outras atividades.

Amanda Ripley, jornalista investigativa e escritora do livro “High Conflict”, pesquisou por quatro anos o conflito, acompanhando pessoas que estavam presas em conflitos ruins, pessoais e profissionais. Em matéria para Harvard Business Review ela compartilha um pouco das suas descobertas – e como lidar com o conflito antes que ele absorva todas as energias.


O que causa um alto conflito?

Amanda chama de “alto conflito” justamente o tipo de conflito que ganha vida própria e sai do controle, deixando todos os envolvidos em uma situação ruim. Mas o que causa esse tipo de conflito? Segundo a jornalista, um padrão que ela observou em sua pesquisa foi a presença de “empreendedores de conflito”, pessoas que inflamam conflitos para seus próprios fins. Elas podem fazer isso com a intenção de ganhar lucro ou apenas obter atenção ou poder. 

Alguns comportamentos tóxicos como envio de e-mails defensivos, começar rumores dentro e fora do escritório ou até mesmo envolver outros colaboradores (normalmente em níveis mais sênior) em questões que poderiam ser resolvidas sem o envolvimento destes. A opção mais segura seria justamente se distanciar destes empreendedores de conflito ou distanciá-los do seu escritório. Contudo, muitas vezes, essa não é uma opção.


Como lidar com empreendedores de conflito?

É importante estar um passo à frente. Portanto, primeiro, identifique quem são os empreendedores de conflito da sua empresa ou equipe. A marca de um empreendedor de conflito tem muito a ver sobre a forma que ele se envolve em conflitos ao longo do tempo, um padrão de comportamento. Eles geralmente são rápidos em acusar, ansioso para validar seus lamentos e articular erros. Normalmente estão envolvidos em rumores (normalmente começando eles). Identificando este perfil, não é prudente ser reativo e tratá-lo de maneira negativa: não sabemos que parte da sua história ou do seu momento tem a ver com esse comportamento. É preciso cultivar compaixão e compreender que todos podemos ser um empreendedor de conflitos em algum momento de nossas carreiras.

Depois de feita a identificação, passe mais tempo com esse colaborador. Pratique o Employee Listening e tente entender o que gera esse comportamento. É importante criar (ou recriar) uma conexão desse colaborador com os valores da empresa, demonstrando como ele pode ajudar e ter seu papel na empresa sem os comportamentos nocivos.

A partir dessa reconexão, é importante redirecionar a energia desse colaborador, para que não volte a ser gasta em conflitos desnecessários. Direcione o trabalho e energia desse colaborador com esse perfil para algo produtivo com o qual ele se importe. O coaching profissional pode ser uma boa opção para esse colaborador, pensando no futuro e não no presente.


Construa grades de proteção

Segundo Amanda Ripley, a melhor defesa é cultivar uma cultura de bom conflito – onde perguntas são feitas, discordar é importante e todos precisam ter comportamentos esperados para o ambiente de trabalho. A partir da sua pesquisa, ela identificou boas práticas de conflito que observou em diferentes organizações:

  1. Se você tiver um problema, vá primeiro até a pessoa com quem você tem o problema (a menos que seja um caso de comportamento ilegal, abusivo ou perigoso). Faça isso pessoalmente ou por telefone, nunca por meio de qualquer forma de comunicação por escrito.
  2. Traga uma solução proposta com você.
  3. Faça muitas perguntas, com genuína curiosidade, em qualquer desentendimento.
  4. Reflita sobre o que você ouviu e verifique se você entendeu direito, mesmo que continue a discordar.
  5. Pare de usar o Slack e outras ferramentas que podem gerar conflitos prejudiciais (ou, se isso for impensável para o seu fluxo de trabalho, chegue a um consenso sobre como você usará essas ferramentas com integridade).
  6. Encontre um mediador de confiança que possa facilitar conversas mais difíceis quando necessário.
  7. Recompense e demonstre bom comportamento de conflito, publicamente e com frequência. Conte histórias verdadeiras sobre isso ao integrar novos funcionários – especialmente histórias sobre funcionários juniores que fizeram perguntas difíceis aos supervisores sem caluniá-los (ou ser difamados).
  8. Procure problemas, não pessoas.
  9. Não se envolva em fofocas de backchannel ou ataques anônimos.
  10. Acumule pelo menos três pontos positivos para cada negativo. Faça isso pessoalmente sempre que possível. 

O objetivo não é ter nenhum conflito, e sim cultivar bons conflitos. Seus colaboradores estão sendo ouvidos na sua empresa? Entre em contato com a Appus e saiba como podemos ajudá-lo na sua estratégia de Employee Listening.

* Texto produzido por Letícia Dallegrave, mestra em Comunicação Social e Publicitária.

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »