Você sabe como definir bons objetivos? Confira neste artigo!

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

Para que uma empresa prospere, é necessário saber para onde ela está indo. Isso pode ser definido por meio de metas e objetivos. Mas como saber a forma certa de defini-los, ou as melhores práticas para isso?

Visando sanar essas dúvidas, daremos algumas dicas úteis neste texto sobre como definir bons objetivos. Você saberá quais são os erros mais comuns na hora de criar um objetivo, quais aspectos devem ser levados em conta e de que forma cada objetivo deve ser planejado. Vamos lá!

Qual é a diferença entre objetivo e tarefa?

Antes de entender como bons objetivos podem ser definidos, é importante saber o que é um objetivo. Além disso, é interessante que você conheça a diferença entre objetivos e tarefas, um assunto que muita gente costuma confundir.

Tarefas

Tarefas podem ser definidas como ações rotineiras, ou seja, ações que são realizadas com frequência visando resultados específicos. Usando a vida real como exemplo, temos algumas tarefas que se repetem em nosso dia a dia, como:

  • levar os filhos para escola;
  • pagar as contas;
  • estudar para uma prova ou trabalho acadêmico;
  • realizar exercícios físicos.

Tudo o que foi citado são ações realizadas rotineiramente e que fazem parte do escopo de uma pessoa. Se ela é, profissionalmente, um técnico de suporte em TI, as suas tarefas serão aquilo que sempre faz dentro do seu setor. Como exemplos:

  • instalação de softwares;
  • resolução de problemas na rede;
  • atendimento de chamados via website;
  • contato com fornecedores de serviços de TI.

Objetivos

Agora, quando falamos de objetivos, estamos lidando com uma meta, um ponto a ser alcançado. Em alguns casos, para que um objetivo seja alcançado, será necessário que alguns requisitos sejam cumpridos. Por exemplo:

Vamos imaginar o exemplo de uma adolescente chamada Valentina que está no ensino médio. Valentina, cansada de ir pra recuperação todos os anos, decidiu que este ano ela vai se esforçar muito mais e vai passar para o próximo ano sem ir para a recuperação . Tendo estabelecido tal meta, alguns requisitos serão necessários. Confira abaixo:

Objetivo: Passar de ano sem ir pra recuperação

  • REQUISITO: Ter média superior à 7 em todas as matérias;
    • TAREFA: Fazer todos os deveres de casa;
    • TAREFA: Fazer e entregar todos os trabalhos das disciplinas;
    • TAREFA: Estudar conteúdo das disciplinas diariamente;
  • REQUSITO: Obter frequência superior a 75% em todas as matérias;
    • TAREFA: Ir para o colégio todos os dias;
    • TAREFA: Prestar atenção na chamada.

Caso Valentina não cumpra os requisitos de média e frequência, ela não conseguirá alcançar seu objetivo final de passar de ano sem recuperação. Com isso é possível perceber onde as tarefas e objetivos se cruzam.

Como definir bons objetivos?

Antes que um colaborador saia por aí definindo objetivos, é necessário que ele conheça quais são os objetivos da instituição. 

Quando uma empresa possui um sistema de gestão de desempenho maduro, ela costuma divulgar internamente essas informações. Dessa forma, seus funcionários poderão saber qual é a estratégia da organização naquele período.

Tendo isso em mente, a equipe poderá definir seus objetivos de forma alinhada com os da empresa. Caso a instituição não tenha objetivos definidos, recomenda-se que o colaborador alinhe com seus gestores de que forma a sua área contribui para que a companhia tenha resultados relevantes. Nesses casos o apoio do gestor é muito importante, pois ele se tornará uma espécie de mentor durante o processo.

A partir daí o colaborador terá a possibilidade de estabelecer os seus objetivos. Para que esse planejamento seja feito da maneira correta, e sem que se confundam objetivos com tarefas, existem algumas dicas que valem a pena ser seguidas:

Use verbos claros que indiquem uma conquista

Na hora de estabelecer um objetivo, utilize verbos que indiquem que você vai conquistar algo. Alguns exemplos:

  • Elevar;
  • Reduzir;
  • Aumentar;
  • Aprimorar;
  • Lançar;
  • Implantar.
Deixe claro o motivo do objetivo
 

É importante também entender porque aquele objetivo é relevante pra você e pra organização. Para isso, procure fazer um exercício. Pergunte-se o por quê de você precisar fazer aquilo. Vamos a um exemplo que acontece com muita frequência.

Vamos dizer que você definiu um objetivo que é: “Gerar relatório XPTO”.
Pergunte-se: Por que eu preciso gerar relatório XPTO?
Possível resposta: Por que eu preciso gerar análises para a área X.

Até aqui observamos que o objetivo inicial de gerar o relatório XPTO se trata de uma tarefa. Na verdade, você precisa executar esta tarefa para cumprir um outro objetivo que é:
“Gerar análises para a área X”.
Pergunte-se novamente o motivo desse objetivo: Por que a área X precisa dessas análises? 
Possível resposta: Por que a área precisa otimizar os resultados de investimento.
Por que? Porque possivelmente sua área deseja investir menos, porém de forma mais efetiva, trazendo melhores resultados para a empresa.

Mantenha-se perguntando o motivo até entender como o seu objetivo ajuda a sua área a alcançar um objetivo da organização. Isto é o que o chamamos de alinhamento estratégico.

Neste exemplo, você poderia definir seus objetivos como: “Gerar análises para a área X”. Mas ao definir um objetivo, você também deve pensar em um forma de mensurar como você irá alcancá-lo. Caso contrário, você não saberá se obteve êxito. 

Desta forma, um objetivo melhor seria:
“Aumentar qualidade das análises geradas para a área X”

Como esse objetivo poderia ser medido?
Você pode obter feedback das pessoas que utilizam as análises geradas para verificar se houve mudança de percepção em relação à qualidade das análises.

 

Utilize metodologias confiáveis

É sempre importante conhecer as ferramentas que auxiliam na gestão de pessoas, objetivos e metas. No caso da definição de objetivos, uma das técnicas que pode ser usada é a SMART. Metas SMART são guiadas por alguns princípios, a saber:

  • específicas: sua meta deve ser específica, visando algo concreto, como um número ou status a ser alcançado;
  • mensuráveis: para atingir um objetivo, ele deve ser mensurável, permitindo que seja avaliado o quão efetivo ele foi;
  • atingíveis: de nada adianta especificar uma meta que não possa ser alcançada, metas devem ser atingíveis; lembrando que isso não as impede de serem ousadas;
  • relevantes: metas devem ser relevantes para a instituição como um todo, não apenas para o indivíduo ou setor;
  • temporizadas: é necessário haver um tempo determinado para que a meta seja cumprida, de forma que haja um senso de urgência.

Qual é a importância de mensurar resultados dos objetivos?

Assim como falado anteriormente, como será possível saber se as metas obtiveram o desempenho esperado? Mais do que chegar a um objetivo final, é necessário conhecer o caminho percorrido e ter métricas e números que mostrem qual foi sua efetividade.

Sem métricas, não apenas o colaborador é prejudicado, como também seus gestores, que não conseguem avaliar de forma objetiva o seu desempenho. Sem isso, as avaliações são baseadas no feeling ou opiniões próprias da gestão, o que é prejudicial a todos. Por isso é muito importante que haja uma forma de mensurar os resultados dos objetivos.

Por que contar com uma empresa nesse processo?

Contar com uma solução que oriente empresas sobre como implementar um sistema de gestão de desempenho acaba sendo um fator de sucesso no estabelecimento de objetivos. Durante os ciclos iniciais, será possível identificar metas que não foram bem definidas, dando a chance de mudar os caminhos escolhidos antes da definição.

Assim será possível estabelecer a dificuldade que os gestores terão no momento da avaliação e instruí-los sobre as melhores práticas na definição de objetivos. Ou seja, algo que vai ajudar a empresa a entrar nos trilhos e se planejar com eficácia!

Gostou do que leu? Se você tem interesse em definir bons objetivos e soluções para RH e gestão, assine nossa newsletter! Nela você estará sempre por dentro das melhores práticas do mercado, seja para pequenas, médias ou grandes empresas. Aproveite!

 

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »