O que é Feedback 360º?

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

O feedback 360º é um processo utilizado em muitas empresas para avaliar e melhorar o desempenho do colaborador, ajudando a identificar habilidades que precisam ser desenvolvidas. Quando usado estrategicamente, impulsiona o crescimento da empresa e ajuda na comunicação entre hierarquias.

Esse modelo de avaliação dá uma visão muito clara da performance do profissional e fornece insumos para um feedback preciso. Também ajuda na reestruturação de equipes, promoções e planejamento de treinamentos.

Para saber mais sobre o assunto, continue lendo este post!

O que é feedback 360º?

Também conhecida como avaliação 360º°, o feedback 360º é uma importante ferramenta de gestão de pessoas, promovendo uma avaliação de funcionários que leve em consideração a opinião de colegas, chefes, subordinados e até mesmo uma autoavaliação.

Esse processo visa a melhoria contínua dos colaboradores e trabalha aspectos como: capacitação, perfil comportamental, habilidades técnicas, pontos a serem melhorados etc.

O método foi usado pela primeira vez em 1940 e até hoje é aplicado em muitas empresas para melhorar o desempenho e mapear os objetivos de carreira dos funcionários.

Existem diversas maneiras de se iniciar um processo de avaliação 360. Alguns sistemas oferecem a possibilidade do funcionário indicar as competências que devem ser avaliadas, enquanto outros estabelecem essas competências de acordo com critérios adotados pela organização.

Há sistemas onde os funcionários indicam os seus avaliadores , mas antes, estes avaliadores precisam ser aprovados pelo gestor de quem está solicitando feedback. Alguns modelos oferecem a possibilidade de feedback textual, enquanto outros disponibilizam escalas de avaliação. São inúmeras possibilidades.

Como ele é realizado?

Uma vez definidas as competências que devem ser avaliadas, o processo inicia com o colaborador escolhendo os seus avaliadores. A principal recomendação para esta etapa, é que os avaliadores sejam pessoas que tenham trabalhado próximo do profissional, seja em um projeto ou na mesma equipe. Assim, saberemos que a avaliação será feita com base em fatos concretos.

Esse processo pode ser dividido nas seguintes etapas:

  • autoavaliação: o colaborador avalia a si mesmo, ao destacar pontos fortes e fracos de suas competências;
  • avaliação do gestor: o desempenho do colaborador em cada competência é avaliado pelo seu gestor imediato;
  • avaliação dos pares: os avaliadores indicados recebem as solicitações de avaliação e podem optar por avaliar ou não as competências do solicitante.

Dependendo do modelo adotado pela empresa, os resultados podem ser disponibilizados imediatamente para o colaborador ou passar primeiro por uma análise do gestor imediato. Nesse último cenário, cabe ao gestor passar o feedback ao avaliado, por meio de uma conversa franca e amistosa. 

Vale lembrar que o objetivo nunca é de humilhar ou pressionar o funcionário, mas de oferecer possibilidades de melhoria, propondo estratégias e alternativas de crescimento.

O gestor atua quase como um coach nessa fase, orientando o colaborador no desenvolvimento de suas competências.

Quais são os benefícios para o funcionário?

O funcionário que passa por uma avaliação 360º° tem uma visão muito mais clara do seu desempenho e relacionamento interpessoal. Por meio de feedbacks construtivos é possível apontar lacunas no desenvolvimento que muitas vezes não são percebidas pelo profissional.

Com isso, ele consegue crescer e apresentar melhores resultados não só para a empresa, mas que também vão contribuir para a sua trajetória individual. Há a possibilidade de crescimento com a busca dos conhecimentos necessários, com a melhoria de comportamentos contraproducentes ou até mesmo a mudança de posturas pessoais que impactam no trabalho e até então não tinham sido evidenciadas.

Para pessoas que exercem cargos de liderança, esse retorno é essencial, já que o seu sucesso está muito ligado à impressão que deixa em seus subordinados e à construção de uma relação de confiança e parceria. Quando um feedback 360º de um coordenador é muito negativo, é hora de repensar como esse trabalho está sendo feito.

Quais são os benefícios para a empresa?

A empresa tem uma série de benefícios quando começa a aplicar o feedback 360º°. Destacamos alguns:

Melhor aproveitamento do capital humano

Ao trabalhar o desenvolvimento dos seus funcionários, a organização consegue identificar com mais precisão suas capacidades e competências, podendo aproveitar essas pessoas em outros cargos, traçar planos de sucessão com base nessas informações e investir no desenvolvimento profissional desses indivíduos.

Isso vai provocar um aumento de produtividade e a permanência desse funcionário por mais tempo na empresa, ao vislumbrar as possibilidades de crescimento.

Aumento do engajamento

Um dos maiores motivadores para um funcionário é perceber que não é apenas um número para a corporação. Quando há investimento no crescimento do profissional, ele se sente mais motivado e se percebe como parte importante para o crescimento da organização.

Essa preocupação com o desenvolvimento aumenta muito o envolvimento dos colaboradores com as tarefas diárias e diminui o índice de rotatividade, impactando positivamente o employer branding.

Direção para treinamentos

As avaliações 360º° servem como parâmetro para identificar problemas na formação dos colaboradores. Ao perceber a falta de competências que são importantes para a boa realização do trabalho, os gestores podem promover treinamentos que vão suprir essa lacuna.

Trata-se de uma medida mais efetiva e menos custosa do que buscar novos profissionais com essas características no mercado.

Maior neutralidade nas avaliações

Modelos de avaliação mais simples, como o de 90°, podem ser contaminados por uma impressão subjetiva do gestor. Se há problemas de relacionamento ou incompatibilidade de opiniões, essas avaliações podem ser contaminadas e prejudicar o colaborador.

O feedback 360º dá uma visão muito mais ampla do desempenho do funcionário, levando em consideração diversos fatores que muitas vezes não ficam óbvios para a liderança. Aspectos como a colaboração e a dedicação são mais facilmente percebidos pelos colegas mais próximos e fazem muita diferença na qualidade do profissional.

Além disso, a autoavaliação também permite uma percepção mais apurada do próprio colaborador, servindo até mesmo como indicador de problemas internos e estruturais da empresa.

Acompanhamento de carreiras

Não são só os colaboradores que se beneficiam com um acompanhamento mais próximo do desenvolvimento na carreira. A empresa pode armazenar e comparar os resultados e usá-los para uma estruturação de um plano de sucessão interno, usando não só essas informações como parâmetro, mas também incentivando os contratados a darem passos maiores.

Esses dados também podem ser usados para ajudar a identificar treinamentos necessários para os funcionários. Ao observar que tipo de competências o colaborador precisa desenvolver, a empresa pode ajudá-lo a se preparar para uma eventual promoção ou até mesmo para uma recolocação em outra área da organização.

Os melhores resultados dessa prática são observados quando há uma aplicação constante. Uma avaliação anual é pouco eficaz, já que o intervalo de tempo é muito grande, as impressões passadas no feedback são esquecidas e não há uma manutenção para uma mudança perceptível de comportamento.

Quando o feedback é realizado com mais frequência, os resultados são acompanhados mais de perto e o funcionário consegue ter em mente o que deve ser alterado e incorporar isso na rotina, conseguindo um desenvolvimento muito mais consistente. Em outras palavras, o colaborador vai conseguir manter o foco e saber em que pontos deve mudar, trabalhando nisso diariamente.

Os gestores também conseguem ter um controle maior e apontar pontualmente o que deve ser mudado, tornando o processo mais leve e fácil de ser conduzido.

Também há o uso de softwares para comparação e armazenamento do volume de dados produzidos nessa prática, que vão auxiliar a administrar o processo e a controlar os resultados obtidos, comparando-os com a produção do período.

A aplicação do feedback 360º vai ajudar não só os contratados, mas a empresa como um todo. Entendendo o conceito, como é a sua aplicação e suas vantagens, é possível levar esse processo mais a sério e torná-lo um processo essencial para a organização.

Aproveite para assinar a nossa newsletter e ter acesso a mais conteúdos sobre gestão de pessoas e relacionados à aplicação da tecnologia dentro dos processos de Recursos Humanos!

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »