Como implementar a gestão por competência e como um software pode ajudar nisso?

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Voiced by Amazon Polly

A gestão por competência é uma abordagem do setor de RH em que o futuro da empresa é planejado estrategicamente a partir das próprias pessoas envolvidas nos processos internos. A ideia é descobrir os talentos desses profissionais, além de reter os melhores nas suas equipes.

Com essa gestão, cada um pode colaborar com base nas suas habilidades e atribuições particulares. Assim, é possível sanar problemas de administração dos colaboradores e do próprio gerenciamento do negócio, como um todo.

Se esse conceito ainda é muito novo para você, não se preocupe. Neste post, nós mostraremos como ele funciona e como pode ser implementado, bem como alguns de seus principais benefícios. Continue lendo para conferir!

 

O funcionamento da gestão por competência

Antes de tudo, é preciso ter em mente que o capital humano é hoje uma das principais vantagens competitivas de uma empresa. Sabendo disso, é fácil então entender a importância de incentivar esses funcionários a apresentar as competências necessárias para realizar seus desafios no menor tempo possível.

O melhor caminho, nesse sentido, é desenvolver uma cultura organizacional voltada para a inovação e melhoria dos processos. E é aqui que entra uma gestão voltara às competências que os colaboradores já carregam consigo, devido às suas experiências e particularidades.

A empresa pode detectar essas qualidades baseadas em três pilares, definindo o quanto um funcionário está apto, ou não, a exercer determinada função. São elas:

  • conhecimento — aquilo que, na teoria, a pessoa conhece sobre a área de atuação da empresa e sobre o cargo, em si;
  • habilidades — aquilo que a pessoa é capaz de desempenhar na prática;
  • atitudes — a capacidade de executar as funções do cargo e outras questões, como postura no ambiente de trabalho e determinação.

Esses três quesitos podem ser aplicados e investigados com um viés organizacional — voltado para a empresa e o time de funcionários, como um todo — assim como individual, com foco em cada um dos profissionais. Na verdade, a gestão por competência é uma mescla dessas duas capacidades, e depende de ambas para que o negócio se mantenha competitivo.

O papel do capital intelectual na competitividade da empresa

Alguns gestores têm uma noção equivocada sobre o investimento nos conhecimentos de seus colaboradores: pensam que, se um funcionário for bem capacitado pela empresa, ele logo irá atrás de oportunidades melhores e levará toda essa capacitação para os concorrentes. Mas é aí que mora o erro. Investir em capital intelectual é uma estratégia capaz de trazer benefícios tanto para o colaborador quanto para a própria organização.

Partindo do princípio de que é melhor investir em capacitação do que ter prestadores de serviço não capacitados, estimular o capital intelectual da sua equipe interna acaba sendo essencial para manter a competitividade no mercado. Afinal, esse investimento trará retorno financeiro para o negócio.

Como implementar essa gestão

O ponto de partida é avaliar a situação atual da gestão de RH, e uma boa forma de fazer isso é realizar feedbacks ou pesquisas de clima organizacional e aproveitar relatórios concedidos pela equipe responsável. Com esses dados em mãos, é hora de pensar nos desafios de implementar essa nova gestão — especialmente, como conseguir que ela se consolide a longo prazo.

Confira, a seguir, quais são os passos para essa implementação.

Definir as competências

O primeiro a ser feito aqui é decidir quais são as competências consideradas essenciais para o seu negócio. Em outras palavras, é preciso pensar em quais atitudes, habilidades e conhecimentos serão esperados dos seus colaboradores.

É importante ressaltar que essa etapa pode ser dividida em duas:

  1. definir quais competências técnicas e comportamentais são importantes para a empresa como um todo;
  2. listar quais desses competências são mais relevantes para um cargo específico ou para determinado um departamento.

Quanto a isso, uma boa dica é elencar poucas competências. Caso você opte por várias, pode ser que fique difícil manter o foco do processo, e os seus esforços acabem se dispersando, atrasando os resultados.

Treinar as equipes

Para implementar uma gestão por competência de forma satisfatória, também é preciso treinar cada funcionário para que ele desempenhe exatamente o que se espera deles. Essa etapa é essencial para diminuir a distância existente entre as aptidões dos membros da equipe e as atividades atribuídas a eles.

Nesse sentido, uma boa ideia é procurar instituições de ensino, principalmente aquelas focadas em treinamentos corporativos, e firmar parcerias com elas. O ideal é promover palestras, cursos, workshops e oficinas para capacitar os seus profissionais — sempre com foco no que foi determinado na etapa anterior.

Mensurar os resultados

Por fim, só é possível saber se a implementação dessa gestão está mesmo dando resultados se os gestores desenvolverem um modelo de mensuração constante. Assim, será possível identificar se os colaboradores estão atendendo às necessidades da empresa — ou o quanto falta para que eles alcancem esse nível —, bem como realizar as melhorias necessárias.

Os benefícios da gestão por competência

Bom, já vimos como você pode implementar uma gestão por competência. Mas, afinal, o que a empresa tem a ganhar com isso? É o que veremos a seguir!

Potencialização de resultados

A empresa que adota esse modelo de gestão conta com os melhores profissionais do mercado — ou, ao menos, os mais aptos a realizar as funções que o negócio exige. Como cada um deles já está preparado para resolver desafios e problemas da rotina de trabalho, a equipe como um todo apresenta resultados sólidos, capazes de impactar positivamente a competitividade da corporação perante o mercado.

Aumento da produtividade

Esse tipo de gestão também facilita a execução de atividades. Como os colaboradores conseguem realizar mais tarefas em menos tempo, é evidente o aumento da produtividade da equipe.

Superação de metas

Ao proporcionar que os funcionários entreguem as melhores performances dentro do seu ambiente de trabalho, a gestão por competências garante chances bem maiores de que os objetivos da instituição sejam alcançados. Com isso, pode-se criar metas periódicas para a empresa sem uma grande preocupação com a performance, já que o resultado será positivo.

Redução de turnover

Quando a empresa enxerga as competências de cada funcionário que são necessárias para o andamento das tarefas e eles as realizam corretamente, é natural que sejam reconhecidos por isso. Esse reconhecimento, por sua vez, aumenta as chances de permanência desses colaboradores na organização, o que reduz significantemente a taxa de turnover.

Enfim, como você pode perceber, a gestão por competência é essencial para garantir a relevância de uma empresa no mercado e para que as metas estipuladas pelos seus gestores sejam, de fato, alcançadas. E a melhor forma de aproveitar tudo isso, hoje, é contar com um bom software de gestão. Com ele, será possível criar avaliações por objetivos, por competências, por feedbacks, e muito mais!

Então, se você gostou do nosso conteúdo e ficou interessado no assunto, entre em contato conosco e confira como as nossas soluções podem auxiliar a sua empresa!

Este texto foi produzido por Kaio Lopes, em parceria com a Rock Content.

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »