Por que é importante saber definir objetivos?

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

Quem está a frente de empresas, departamentos ou equipes, precisa definir objetivos claros. Do contrário, os profissionais atuarão em suas tarefas sem um elemento que conecte as atividades, e a liderança não atingirá seu propósito de direcionar pessoas.

Com efeito, a organização não funcionará adequadamente enquanto sistema — elementos interdependentes que, considerados em conjunto, formam uma unidade. Faltará a coordenação das diferentes partes em prol de um resultado comum, de modo que sempre haverá alguém remando para o lado errado.

Então, para que você entenda a importância dos objetivos, separamos as principais informações sobre o tema. Continue lendo e aprenda práticas valiosas para sua empresa!

Por que é importante definir objetivos?

A função principal dos objetivos é assegurar que todos remem para a direção certa e que ninguém esteja trabalhando em algo alheio à finalidade da empresa. Trata-se de definir o ponto de chegada para que todos possam buscar o caminho a ser tomado.

Para isso, lembre-se do clássico diálogo entre Alice e o Gato de Cheshire:

– Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar para sair daqui?

Isso depende bastante de onde você quer chegar, disse o Gato.

O lugar não importa muito… disse Alice.

Então não importa o caminho que você vai tomar, disse o Gato. 

Nesse sentido, ter objetivos pouco eficazes pode trazer prejuízos à organização. Imagine, por exemplo, uma empresa que exige o aumento da receita, desconsiderando a lucratividade. Assim, é possível que, para concretizar o plano, gaste-se mais recursos com uma expansão do que os seus benefícios.

Sendo assim, é importante ter clareza quanto aos desafios e adotar boas referências para estabelecer planos que, de fato, contribuam para o sucesso da empresa.

Quais são os desafios desse planejamento?

Para concretizar o propósito de orientar e engajar pessoas, os objetivos devem conter certas características. Esses atributos-chave servem de critério para avaliar os planos e decisões, além de constituírem desafios para os gestores.

Veja quais são os pontos principais a seguir:

Ser claro quanto aos objetivos

Em seu famoso artigo, “A Theory of Goal Setting & Task Performance”, publicado em The Academy of Management Review (1991), Gary P. Latham e Edwin A. Locke fixaram as premissas do tema deste texto.

No estudo, ficou evidenciado que objetivos difíceis e específicos geram um aumento de performance superior a expectativas genéricas. Isto é, dizer “faça o seu melhor” não seria uma boa ideia, porque metas demasiadamente abstratas são compatíveis com praticamente qualquer tipo de resultado.

Um exemplo simples é a definição de algo como aumentar o número de leads. Trata-se de uma exigência tão abrangente que qualquer valor acima de zero satisfaz o enunciado. O mais correto, portanto, seria quantificar o resultado: aumentar o número de leads em 50%.

Resumidamente, o fator determinante para o engajamento é a definição de objetivos claros e mensuráveis. Quando uma pessoa sabe o que a empresa espera dela, ela torna-se mais motivada e comprometida no ambiente de trabalho.

Criar um sistema de objetivos e metas

A ideia é que, a partir dos objetos estratégicos, a empresa desdobre diretrizes específicas para os departamentos. Então, os segmentos tomarão tais exigências e designarão metas individuais e coletivas para os colaboradores.

Consequentemente, existirá o porquê de realizar cada uma das tarefas da organização, independentemente de ser uma questão estratégica, tática ou operacional.

Identificar prioridades

Metas e missão precisam estar intimamente vinculadas, de modo que as pessoas entendam quais são as prioridades do negócio e tomem decisões nesse sentido.

Isso é muito importante, uma vez que os colaboradores precisam entender o significado das tarefas individuais.

Mensurar no momento certo

A periodicidade é outro desafio relevante. Afinal, há objetivos que não podem ser realizados em um curto período de tempo, outros tantos demandam um médio prazo e um terceiro grupo ficará bem distante no futuro. Não à toa, a mensuração pode ser trimestral, semestral, anual etc.

Mapear objetivos

Os objetivos se dividem em diferentes tipos. Há aqueles pertinentes à organização como um todo e a seu posicionamento no mercado (estratégicos); um segundo grupo que requer a conclusão de tarefas setorizadas ou dos departamentos (táticos); e os últimos que incidem diretamente sobre a produção diária da empresa (operacionais).

Por isso, um grande desafio é mapear e controlar todos os resultados, entendendo a relação entre as questões de topo, meio e fundo.

Como definir objetivos para uma empresa?

A partir dos estudos de Latham e Locke, é possível identificar 5 princípios que devem orientar a formulação de objetivos e metas. São eles:

  • seja claro: o objetivo deve ser específico, determinado e quantificável;
  • desafie-se: a exigência deve ser suficiente para levar a empresa alguns passos além do estágio atual, dentro de uma perspetiva realista;
  • traga sua equipe para o jogo: a equipe precisa comprar a ideia, sendo esclarecida sobre as necessidades e motivações dos planos, bem como sobre o que precisa ser feito em cada área;
  • crie o hábito de dar feedback regularmente: os colaboradores necessitam de retornos sobre as atividades que desempenham, a fim de identificarem se seus comportamentos são corretos ou incorretos;
  • considere a complexidade da tarefa: os objetivos devem ser divididos em etapas menores, realistas e tangíveis — é como se as metas fossem os degraus de uma escadaria.

Como concretizar esses conceitos no dia a dia?

Agora que você já conhece como definir objetivos, confira a seguir dicas práticas para concretizar os conceitos abordados e promover mudanças imediatamente. Acompanhe!

Utilize verbos no infinitivo

Descreva os objetivos com verbos claros, que permitam a apreensão imediata do que precisa ser feito. Para tanto, o infinitivo é a forma mais recomendada, como “elevar”, “reduzir”, “aprimorar” e “implantar”.

Identifique os porquês

Pense qual é a dor e o desejo que movem a escolha de um objetivo. Para tanto, a metodologia dos 5 porquês pode ser bastante útil em sua investigação.

Crie um sistema

Desdobre os objetivos mais específicos dos mais gerais. Das metas estratégicas devem surgir as exigências táticas e, dessas, as operacionais. A ideia é que o colaborador possa entender as motivações de suas tarefas com base nas diretrizes fixadas para a equipe, para o departamento e para a empresa como um todo.

Use a tecnologia

Facilite o processo com o uso de recursos digitais. Com o crescimento da empresa, a quantidade de informações pode dificultar a gestão. Assim, apenas com a tecnologia, os responsáveis terão clareza e controle sobre o alinhamento entre as decisões e os objetivos macro da empresa.

A partir dessas informações e com essas dicas, você terá melhores condições para definir objetivos no dia a dia e acompanhar os resultados produzidos pelas equipes. Logo, oferecerá uma orientação mais adequada para os colaboradores.

Para complementar sua leitura e desenvolver ainda mais essa competência, leia agora mesmo o nosso artigo específico sobre como definir bons objetivos!

Este texto foi produzido por Henrique Dener dos Anjos Rezende, em parceria com a Rock Content.

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »