5 principais erros que prejudicam a avaliação de desempenho

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

A adoção de avaliações de desempenho para mensurar a performance dos funcionários gera benefícios tanto para a empresa quanto para os colaboradores: melhora a produtividade, estimula o desenvolvimento e ajuda na construção da carreira. No entanto, como em todo processo, está sujeita a equívocos que podem afetar os resultados e comprometer todo o planejamento.

Para ajudar você a evitar esse problema, apresentamos neste post os principais erros em avaliações de desempenho. Acompanhe!

Por que realizar avaliações de desempenho da maneira correta é tão importante?

As avaliações de desempenho funcionam como um retrato do quadro de colaboradores da empresa. É por meio dessa ferramenta que os gestores e o RH conseguem identificar quais são as habilidades que têm à disposição e o que ainda deve ser trabalhado para alcançar os resultados esperados.

Os dados obtidos por essas análises também dão insumos para a realização de treinamentos e ajudam na tomada de decisões. O setor de Recursos Humanos usa os dados obtidos nas avaliações para planejar demissões, contratações, promoções internas e trocas de cargo, entre outras mudanças.

Podemos perceber, então, a importância da qualidade nas análises de performance. Impressões equivocadas podem levar a empresa a outro caminho, culminando em perda de produtividade, queda na credibilidade e prejuízos à imagem corporativa.

Quais são os 5 principais erros em avaliações de desempenho?

1. Objetivos definidos de maneira errada

A definição de metas é o cerne de qualquer negócio. Ao traçar um planejamento claro, a empresa tem a noção exata do que deve ser feito para atingir esses objetivos, usando seus recursos da melhor forma possível.

A realização das avaliações de desempenho deve se basear nesse conceito. Ao entender onde se quer chegar, RH e gestores conseguem identificar os pontos de destaque dos seus empregados, aplicando-os nas áreas necessárias. Também é possível localizar as fraquezas, desenvolvendo as habilidades necessárias para que eles consigam entregar os resultados que a organização espera.

Ao definir os objetivos da empresa de maneira vaga ou sem clareza, não há um direcionamento da força de trabalho e, consequentemente, as habilidades dos empregados são desperdiçadas.

2. Falta de preparo dos gestores

O processo de avaliação de desempenho parte de uma análise imparcial e honesta e da aplicação de feedbacks que levem o colaborador à conscientização sobre o seu papel na empresa.

Aspectos subjetivos ou questões pessoais podem contaminar a análise e levar a um quadro que não condiz com a realidade daquele colaborador. Também é necessário ter maturidade e inteligência emocional para, além de avaliar de maneira justa, conseguir dar um feedback construtivo.

Para isso, é essencial investir no treinamento dos gestores. Eles devem estar cientes de como é feita a análise de performance, qual é o seu objetivo e a sua importância. Mais do que isso, precisam entender que com a abordagem errada, podem desmotivar ou até mesmo provocar um pedido de demissão ou uma situação de atrito que prejudique as relações internas.

3. Processos anuais de avaliação

Um ano é um período muito longo quando se trata de avaliações de desempenho. Em 12 meses os funcionários podem mudar de postura, apresentar níveis de produtividade diferentes, ficar contentes ou descontentes com o trabalho, passar por problemas pessoais que afetam os resultados, entre outros tantos fatores que podem influenciar o seu rendimento.

O segundo aspecto é a lembrança dos fatos. Um colaborador pode ter se saído muito bem nos primeiros meses do ano e ter apresentado uma queda nos últimos 100 dias, por exemplo. Seria injusto levar em consideração apenas esse último período, certo? Pois isso pode acontecer quando as avaliações ocorrem com uma lacuna de tempo muito grande.

Outra questão importante a ser considerada é a validade dos feedbacks. Os pontos apresentados podem ser lembrados durante algumas semanas ou até meses, mas pouco tempo depois o profissional vai esquecer o que deve levar em consideração durante o trabalho e deixa de buscar os resultados esperados.

A frequência ideal vai depender dos objetivos da empresa e da rapidez no alcance e no ajuste de metas.

4. Feedbacks irrelevantes ou inexistentes para os colaboradores

Para que gere bons resultados, a avaliação de desempenho deve acompanhar um feedback esclarecedor, que ofereça ao funcionário informações que realmente colaborem para uma performance que atenda às expectativas da empresa.

Alguns gestores apenas leem os resultados da análise, tornando o processo chato, ineficaz e jogando fora todo o trabalho de compilação de informações.

Usar o feedback para coagir ou ameaçar os empregados também é uma atitude com consequências negativas, assim como apontar apenas os defeitos e desvalorizar o profissional.

Os retornos sobre as avaliações devem levar em consideração o respeito e a empatia. O principal objetivo dessa ferramenta é indicar ao funcionário as possibilidades de crescimento e reconhecer o que está sendo feito de maneira correta.

A melhor abordagem é abrir espaço para uma conversa, prática comum em avaliações 360°. A ideia é ter um comprometimento entre funcionário e gestor, para que haja um desenvolvimento contínuo das habilidades com base nos aspectos observados na avaliação.

5. Falta de alinhamento estratégico entre os objetivos da empresa e dos colaboradores

Saber interpretar os dados obtidos nas análises de performance dos funcionários é importante para manter a coerência do processo. Para isso, é necessário manter o foco nas metas do período e alinhar estrategicamente todas as atividades internas que serão desenvolvidas em prol desse objetivo.

Sem ter o conhecimento do que deve ser feito, tanto funcionários quanto gestores podem se perder, realizando apenas o básico nas suas funções. A falta de direcionamento resulta em desperdício de tempo e dinheiro, além da má utilização dos recursos humanos.

Com isso, percebemos a importância de usar indicadores que possam orientar a gestão de pessoas e garantir a execução de ações que levem aos resultados esperados.

Ao entender o impacto das avaliações de desempenho, os líderes e o RH têm condições de afiar o processo e obter os efeitos desejados. Para isso, é essencial conhecer mais sobre essa prática, até mesmo para adaptá-la à realidade da empresa.

Sabendo quais são os erros em avaliações de desempenho, é possível conduzir esse processo de maneira objetiva e eficaz.

O que você achou deste conteúdo? Aproveite para conferir outro artigo relacionado ao assunto, que traz dicas para fazer uma one-on-one produtiva com os colaboradores!

Este texto foi produzido por Lígia Gama, em parceria com a Rock Content.

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »