Pesquisa de Clima: sua empresa precisa fazer

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

Profissionais valorizados trabalham melhor. Se você não acredita nisso, considere aplicar — ou remodelar — a pesquisa de clima da sua empresa. A prática ajuda a tornar a gestão de pessoas mais eficiente: uma organização que se destaca nas práticas de gestão é aquela que conhece profundamente seu negócio, suas metas e seus funcionários.

Mais do que isso, é aquela que faz o cruzamento desses dados e consegue extrair resultados em tempo real, com relatórios prontos e de fácil visualização. Uma boa empresa em termos de recursos humanos não é necessariamente uma empresa com sala de videogame à la Google, bônus agressivos como bancos ou política de home office como as pontocom.

Cada uma tem sua particularidade e cultura. Por isso, a pesquisa de clima é como uma bateria de exames que ajuda na prescrição de um tratamento: é a ferramenta que auxilia o RH a identificar a percepção das pessoas sobre o ambiente interno da empresa para, então, desenhar ou ajustar programas.

O sucesso de uma prática ou de uma política de recursos humanos depende da conexão com a realidade de uma empresa e, por isso, nem todos os programas de gestão de pessoas servem para todos.

Por que a pesquisa de clima é importante?

Na década de 1990, a antiga companhia telefônica norte-americana GTE fez uma análise profunda do clima organizacional e descobriu que a relação entre os gestores e suas respectivas equipes impactava diretamente no desempenho. Por quê? As unidades comandadas por líderes extremamente autoritários revelavam uma margem de erro maior do que aquelas nas quais os trabalhadores tinham mais liberdade.

A solução? Submeter toda a liderança a treinamentos e outras ações voltadas para o desenvolvimento de novas competências. O resultado? Um ano após a pesquisa e a capacitação do nível gerencial, a precisão do serviço aumentou em 22% em relação ao período anterior.

Saber que a maioria dos funcionários acha que a própria carreira está estagnada pode causar mudanças no programa de recrutamento interno. Verificar que as pessoas desconhecem todas as metas corporativas pode apontar a necessidade de reforço das ações de comunicação e gerar melhores resultados financeiros no médio prazo. Cada informação é uma peça de um quebra-cabeça enorme que, no final, revela a imagem de uma empresa.

No entanto, esse cenário muda de acordo com o perfil e a quantidade de respondentes, a frequência de aplicação do levantamento e, principalmente, a plataforma utilizada no processo. Normalmente, a pesquisa é anual e retrata um período específico da realidade da organização, mas novas ferramentas chegam para fazer registros constantes e instantâneos. A aplicação de algoritmos sofisticados é uma opção.

Como fazer a pesquisa de clima na sua organização?

A pesquisa de clima organizacional é uma ferramenta bastante poderosa, podendo ser uma forte aliada no processo de otimização do ambiente de trabalho, empoderamento da gestão, desenvolvimento dos colaboradores e engajamento de times inteiros.

No entanto, para que tenha todos os seus benefícios explorados ao máximo e de fato empreenda mudanças significativas e sustentáveis de forma escalar na organização, a sua aplicação precisa se dar de forma planejada e precisa, e a pesquisa precisa contar com análises e informações que atendam a todos os níveis da organização, bem como a todos os fatores de estudo necessários para identificar problemas e produzir soluções.

A seguir, elencamos algumas das principais etapas que devem compor uma pesquisa de clima competente:

Planejamento de informações

Essa é uma das etapas mais primordiais da fase de planejamento, e servirá de base para todo o restante do processo. Afinal, se alguma informação essencial não for avaliada, isso significará problemas não identificados que possivelmente ficarão sem solução.

Aqui, devem ser elencados todos os fatores de análise essenciais relativos ao clima organizacional que precisam ser avaliados e que realmente representem o estado real de um cenário ou domínio específico.

Levantados todos os fatores de análise necessários, é possível definir com mais clareza as informações que precisam ser coletadas acerca deles durante o processo de pesquisa, facilitando a estruturação de uma pauta precisa. Tendo isso como subsídio, o desenvolvimento das perguntas fica muito mais fácil.

Definição de métodos de pesquisa

Após o planejamento das informações essenciais, é hora de definir os métodos de pesquisa. Sabendo quais são as informações, com as perguntas já estruturadas a definição dos métodos de pesquisa ideal frente à carga de questões fica facilitada.

Algumas empresas mais tradicionais ainda costumam utilizar métodos físicos para realizar a pesquisa, como folhas e formulários de papel. Entretanto, isso limita bastante a automatização do processo de pesquisa e, por isso, aqui vale a dica de apelar para a tecnologia.

É possível utilizar um software específico para isso. Não falamos somente do SurveyMonkey ou do Google Forms, mas de ferramentas dedicadas às pesquisas de clima, que são capazes de dinamizar todo o processo, desde a coleta de informações até a análise delas e a geração de relatórios gerenciais completos.

Isso facilita bastante a análise das informações, bem como a identificação de pontos mais importantes de toda a pesquisa.

Coleta de dados e interpretação das análises

Podemos apresentar essa etapa como a mais “prática” de todo o processo, pois é o momento em que os colaboradores vão responder à pesquisa de clima, bem como os líderes, gestores e demais responsáveis poderão analisar as informações tabuladas que foram geradas pelas respostas.

Nessa etapa, de um lado, os colaboradores vão se ater às perguntas projetadas na fase de planejamento e dar as suas considerações sobre os fatores levantados. De outro lado, teremos a expertise dos analistas em avaliar os resultados e chegar a uma conclusão acerca da satisfação e/ou posicionamento das pessoas sobre a organização como um todo, de acordo com os fatores levantados na etapa de planejamento.

Mapeamento de diferenciais e pontos de atenção

Depois que os analistas avaliaram todas as respostas dos colaboradores, correlacionando cada qual com seu respectivo fator ou frente organizacional analisada, chegamos à etapa de identificação e mapeamento dos pontos fortes e fracos da organização.

Aqui, será estruturada a visão que os colaboradores têm da organização em diversos fatores e aspectos, como gestão, desenvolvimento, oportunidades, autonomia, ambiente organizacional e diversos outros que a etapa de planejamento tenha elencado como importantes.

Para subsídio disso podem ser elencados os pontos fortes da organização aos olhos das equipes, bem como conhecidos os que não as agradam tanto e que devem ser desenvolvidos. De posse deles, já temos o que é necessário para partir para a próxima etapa, a qual atende todo o propósito da pesquisa de clima.

Elaboração de planos de ação direcionados

O propósito da pesquisa de clima é conhecer a visão dos colaboradores acerca da organização, identificar oportunidades de desenvolvimento e chegar à excelência em todos os fatores. Esse propósito será atendido nessa etapa.

Com base nos pontos de atenção, serão desenvolvidos os planos de ação necessários, com base nos quais serão empreendidas as iniciativas de melhoria para resolver todos os problemas organizacionais identificados na pesquisa.

É importante frisar que o acompanhamento é essencial em qualquer estratégia, ou seja, é preciso monitorar os resultados das ações de melhoria para verificar sua efetividade e efetuar possíveis correções em curso.

Quais fatores devem ser avaliados?

Essa pergunta é, em parte, relativa porque, embora alguns assuntos sejam essenciais e de praxe, o enfoque que será dado, bem como a definição de quais outros assuntos serão necessários, são questões que vão depender das particularidades e do estado organizacional atual de cada organização.

Vale mencionar, entretanto, que os fatores seguintes costumam ficar no topo dos mais pesquisados pelas empresas:

  • Modelo de Gestão
  • Bem Estar do Colaborador
  • Cultura Organizacional
  • Carreira e Desenvolvimento
  • Remuneração & Benefícios
  • Ambiente de trabalho
  • Liderança Imediata
  • Liderança Executiva

Quais são os benefícios da pesquisa de clima?

O propósito principal da pesquisa de clima é avaliar, entender e resolver possíveis problemas relativos ao clima organizacional. Entretanto, o processo traz alguns outros importantes benefícios que nem sempre são considerados.

Além de oferecer a oportunidade de tornar o ambiente de trabalho mais propício à produtividade, com excelência em gestão, bom relacionamento e sucesso corporativo como um todo, a pesquisa de clima demonstra aos funcionários que a empresa se preocupa com a satisfação deles. Para o colaborador do século XXI, a sinergia entre pessoa e organização é extremamente importante.

Além disso, conhecendo bem os seus pontos fortes, é possível empreender ações que visem explorar e desenvolver isso ainda mais em prol da produtividade, otimização do relacionamento e empoderamento da organização como um todo.

O que é a Appus Pulse, a ferramenta de pesquisa de clima da Appus?

Existem instrumentos capazes de rodar pesquisas, coletar respostas e mostrar dados em tempo real. Isso traz não só agilidade, mas uma visão mais ampla para o RH.

De acordo com dados da consultoria de recursos humanos Hay Group, os funcionários altamente engajados têm a capacidade de melhorar o desempenho dos negócios em até 30%, e aqueles totalmente comprometidos têm 2,5 vezes mais chances de ultrapassar as expectativas de desempenho do que seus colegas descompromissados.

Também da mesma fonte, foi publicado um estudo em 2015 revelando que, de um grupo de 300 líderes de engajamento de empresas que figuram no índice FTSE 250 e na lista da Fortune 500, 84% dos profissionais de recursos humanos concordam que é preciso desenvolver novas formas de engajar, enquanto só 30% deles afirmam que as companhias onde atuam estão trabalhando para se adaptar às mudanças que se aproximam.

A pesquisa de clima já não é mais somente uma forma de manter a organização com representatividade e conceito frente ao mercado, colaboradores e clientes, pois a prática já se tornou uma ferramenta essencial para entender o que a empresa realmente é para o real responsável pelo seu desenvolvimento e sucesso: as pessoas.

Como os seus colaboradores estão vendo a sua empresa? Entre em contato com  a Appus e saiba como podemos ajudá-lo a tornar a sua pesquisa de clima um processo rápido, preciso e cheio de benefícios para você e seus colaboradores!

Não deixe de ler também…

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. O recrutamento interno aumenta a retenção de funcionários, acelera o processo de contratação e acelera a produtividade do recém contratado, e pode ser um bom benefício para empresas que estão com as contratações congeladas. A mobilidade interna, contudo, não é apenas deslocar pessoas entre áreas e sim recrutar ativamente talentos que estejam desempenhando bem em determinada função e podem fazer a diferença em outra parte da empresa. Kevin Oakes é autor do livro Culture Renovation, CEO e especialista em novas práticas para capital humano. Em matéria para Harvard Business Review, ele oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos. Criando uma cultura de mobilidade Dê incentivos aos gerentes. A primeira chave para criar essa dinâmica é reavaliar como uma organização reconhece e recompensa seus gerentes. Em algumas das melhores empresas do mundo, entende-se que, para mover consistentemente talentos - especialmente talentos de alto potencial - eles precisam incorporá-lo nos objetivos de desempenho de um gerente e fazer isso parte do processo de revisão de desempenho. Essas organizações geralmente oferecem reconhecimento interno e recompensam os gerentes por sua capacidade de desenvolver pessoas. Em suma, eles constroem uma cultura onde a mobilidade é esperada e um ambiente que depende desse movimento. Quando isso ocorre, uma consequência acontece com esses gerentes: eles se tornam ímãs de talento. Todo mundo quer trabalhar para a pessoa que tem a reputação de avançar a carreira dos funcionários. Reduza a burocracia e o estigma. Outro impedimento é a burocracia que as empresas geralmente criam para preencher uma posição aberta através de um recrutamento interno. Os gerentes de contratação preferem pesquisar externamente porque o processo de contratação geralmente é muito mais fácil e evita conflitos. Buscar talentos internamente é frequentemente desaprovado em muitas organizações, o que faz com que os gerentes de contratação passem por mais etapas se quiserem mover um funcionário interno para seu grupo ou departamento em vez de contratar alguém de fora. Do ponto de vista do funcionário, acontece o mesmo fenômeno. Oportunidades externas não vêm com regras gerenciais de engajamento. Há muito pouco estigma ligado a olhar para papéis externos, enquanto fazê-lo internamente pode ter um ótimo preço político. Os funcionários não ficam presos em uma faixa salarial ou nível de trabalho quando pesquisam externamente, mas isso geralmente ainda se aplica internamente. E, finalmente, ao olhar externamente, eles podem se libertar de qualquer rótulo que tenha sido aplicado ao seu papel, o que muitas vezes dificulta o movimento interno. Para combater isso, as empresas progressistas estão priorizando uma abordagem de “talent ecosystem”, na tradução, ecossistema de talentos. A empresa se aproxima internamente destes profissionais e os realoca em projetos com base em quem tem as melhores habilidades para fazer o trabalho, desconsiderando proximidade ou hierarquia. A chave é catalogar as habilidades e capacidades da força de trabalho para ser mais ágil e preencher posições por dentro. Muitas vezes, a melhor pessoa para uma função aberta já está na organização, mas a falta de dados sobre a força de trabalho impede o gerente de contratação de descobri-los. Um ecossistema de talentos ativo torna aceitável que os funcionários se movam frequentemente na organização e reduz o estigma de se candidatar a funções abertas internamente. Pense na mobilidade de talentos como uma rede, não uma escada. No primeiro, os funcionários são incentivados a se deslocar pela organização para ampliar suas capacidades sob o gerenciamento dos principais tomadores de decisão. Apoiar a mobilidade lateral e incentivar as atribuições de realocação têm uma forte correlação com o desempenho do mercado. O mesmo acontece com a transparência sobre o processo. As organizações de alto desempenho são quatro vezes e meia mais propensas a tornar o critério para a mobilidade de talentos transparente para a força de trabalho. Celebrar o movimento lateral também aborda um dos riscos associados à mobilidade — atingir um teto de vidro. Quando as empresas só veem a mobilidade em termos de movimento ascendente, é importante ter posições disponíveis. Se as organizações não têm posições para mover as pessoas ou tiverem oportunidades limitadas de mobilidade ascendente, os funcionários acabam se sentindo presos. A falta de posições para se mover se torna um obstáculo para a mobilidade. Atravessar a organização como uma rede também pode criar uma cultura mais inclusiva e melhorar a diversidade. Fique confortável com a mudança. Uma última razão pela qual a mobilidade de talentos geralmente não se consolida: requer mudanças frequentes. Enquanto a maioria das empresas descobriu a importância da agilidade durante a pandemia, grandes empresas sempre reconheceram sua importância. Se os funcionários descreverem a mudança como esmagadora, cansativa ou desestabilizando o que fazem normalmente, é provável que eles estejam trabalhando em uma organização de baixo desempenho. Os funcionários de empresas de alto desempenho não são apenas mais propensos a dizer que a mudança é normal e, de fato, parte do modelo de negócios, mas geralmente a descrevem como uma oportunidade. Várias dessas organizações até induzem mudanças regularmente sob a teoria de que mudanças consistentes realmente aumentam a produtividade. Uma cultura ativa de mobilidade de talentos pode ajudar a minimizar a complacência e criar um ambiente de mudança saudável — e com ela um ambiente ágil que pode lidar com o inesperado. Se você estiver interessado em melhorar a agilidade, é hora de incluir mobilidade interna saudável e criar mais ímãs de talentos em toda a organização. A Plataforma Appus pode ser uma aliada para esse monitoramento de novos talentos, através das Avaliação 360 e das Avaliação de Potencial e Sucessão. Entre em contato com a gente para mais informações.
Gestão de Pessoas

Deixe seus melhores talentos se movimentarem pela empresa

A mobilidade interna precisa fazer parte da sua estratégia para reter talentos. Em artigo da HBR, Kevin Oakes oferece alguns caminhos que empresas podem traçar para criar uma cultura de mobilidade dentro das empresas e, por consequência, melhorar a sua retenção ou mesmo descoberta de talentos.

Leia mais »